Há 18 anos atrás numa noite fria na congelante de São José do Norte, RS – Fernando Costamilan iniciou com um punhado de amigos a recontar a sangrenta batalha ocorrida em 1836 nas ruas da cidade mesmo local da batalha. Desde então todos os anos nesta data acontece pelas ruas da cidade um desfile de cavalarianos em memória dos heróis Farroupilhas.


  (Clique veja mais fotos)

Na noite de 15 para 16 de julho, segunda para terça, mais uma vez eles se reuniram no piquete Três Figueiras nos arredores da cidade e lá encilharam seu cavalos, prepararam carroças para o grande momento, da entrada da cidade. Depois de um sopão bem quente e bem forte servido no galpão do piquete, o grupo saiu em direção a cidade seguindo um carro de som que contava a história e por vezes Costamilan contava um pouco da história para a população das ruas onde passavam, a cidade não dorme nesta noite, muitos vãos as ruas ou assistem de suas casas a passagem dos cavalarianos.
O ponto de chegada é na praça junto ao busto de Giuseppe Garibaldi, onde acontece uma ato solene com direito a Hino Nacional e Hino Riograndense.
Na mesma data, no mesmo local e provavelmente com o mesmo clima, frio e gelado de São José do Norte que os Farroupilhas enfrentaram em 1836, uma multidão formada por gente de todas as idades sai as ruas seja a cavalo ou apenas para assistir a encenação, não importa, o que mais importa mesmo é o ato, a celebração que se mantem viva na comodidade, graças a esta iniciativa destes homens liderados por Fernando Costamilan que há 18 anos realizam este importante ato cívico na cidade.
Agora passados 18 anos este ato está recebendo reconhecimento das autoridades através de um projeto que tramita no Legislativo local, mesmo oficial ou não, o desfile já é um dos mais importantes acontecimentos do ano, atraindo visitantes e turistas que aquecem as vendas do comercio local, de restaurantes, bares e hotéis.
Preparamos uma galeria de fotos com alguém momentos do desfile, nossa equipe esteve presente na congelante noite de São José do Norte para registar o evento e como forma de prestigiar a toda a comunidade local por estarem não apenas mantendo mas ampliando a cada ano este evento.
Resumo da história da batalha em 1836
O Município teve participação decisiva na Guerra dos Farrapos. Em 1836, a vila de São José do Norte foi sitiada pelas forças revolucionarias do Coronel Onofre Pires da Silveira Canto. Na Estância Real de Bujuru, essas forças se abasteceram dos gados preciosos para sua manutenção, assim como, em 1840, quando foi novamente sitiada pelos Farroupilhas, sob o Comando do General Bento Gonçalves da Silva. A batalha decisiva deu-se na madrugada de 15 para 16 de julho de 1840, quando as tropas imperiais comandadas pelo mostardeiro Coronel Antônio Soares de Paiva, travam luta contra as tropas farroupilhas comandadas diretamente pelo General Bento Gonçalves e Giuseppe Garibaldi. Os combates tiveram início nos arredores da então vila de São José do Norte, na madrugada do dia 16 de julho, cujo local era considerado ponto estratégico para as tropas que conseguissem a vitória e consequentemente, pudessem se apossar do porto de mar que dominava a barra do Rio Grande. As trincheiras naturais da região que eram oferecidas pelos cômoros de areia favoreceram a posse do porto. Depois de terem as tropas invasoras dominado praticamente a Vila, houve uma reação violenta por parte do Coronel Antonio Soares de Paiva, que havia recebido reforços do Rio Grande através de dois lanchões postados no canal. Com esses lanchões atacavam os Farrapos, aliados ao combate por terra. Eram, então, nove horas da manhã, quando Bento Gonçalves, que tomara a Vila com cerca de 1.200 homens contra 600 e que ao final já estava enfrentando uma força numericamente superior, determinou a retirada. Domingos Crescêncio deu a ideia para Bento Gonçalves de incendiar a vila. Bento preferiu recuar do que sacrificar a vida de civis. Os farrapos retiram-se definitivamente, vendo frustradas todas as suas tentativas de conquista deste posto avançado que, no momento, representava a defesa do Império Brasileiro.
Tradição mantida há 18 anos