Secretária da Cultura participa de encontro com representantes ministeriais e institucionais de cultura

Nesta terça (2) e quarta (3), a secretária da Cultura, Beatriz Araujo, despacha de São Paulo. Ela se soma a outros secretários de cultura, vice-ministros e diretores de fundações que trabalham em projetos culturais na Ibero-América com o desafio de promover a construção de uma visão compartilhada dos desafios enfrentados pelo setor cultural.
Na terça, às 19h, os agentes culturais da região que compreende os países ou territórios em que a língua portuguesa ou espanhola são predominante serão recepcionados pelo governador de São Paulo, João Doria, e pelo prefeito da capital paulista, Bruno Covas, no Memorial da América Latina (Barra Funda), durante um coquetel com apresentações artísticas.
Na quarta-feira, a programação, no mesmo endereço, deve durar todo o dia. O objetivo é estabelecer um espaço de diálogo, que especificará as linhas relevantes de aplicação da Carta Cultural Ibero-Americana – instrumento de política cultural de maior importância e alcance na região, para validação de suas linhas, princípios e âmbitos de aplicação. O encontro facilitará um diálogo técnico e político entre atores qualificados no setor.
Quem abre o painel, às 9h, é o Secretário Especial de Cultura, Henrique Pires, ao lado do Secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, Sérgio Sá Leitão, e de outras autoridades da Organização de Estados Ibero-americanos (OEI). Os painéis seguem até as 19h e estarão em pauta indústrias culturais e criativas, discussão sobre cultura e agenda 2030 no contexto ibero-americano, financiamento da cultura e discussão sobre cultura, cidadania e transformação social na Ibero-américa.

Carta Ibero-americana

A carta cultural Ibero-Americana, aprovada na XVI Cúpula de Chefes de Estado e de Governo de 2006, em Montevidéu, é o instrumento político que orienta a ação cultural na região. É do interesse da OEI aprofundar sua implementação e influenciar o direcionamento de suas intervenções, com base na discussão das altas autoridades culturais da Ibero-américa.
Atualmente, os governos nacionais, autoridades locais e organizações não-governamentais têm um impacto direto tanto na formulação e implementação de políticas públicas quanto em seu financiamento. POR RAFAEL VARELA/ ASCOM SEDAC