Equipe Mistralis: Superando desafios pelo mar

vela1-19.jpgO Ecoesporte abre espaço para as aventuras da Equipe Mistralis, e suas travessias oceânicas, acompanhe.
De todas as travessias oceânicas realizadas até o primeiro semestre de 2010 pela Mistralis e seus veleiros, uma delas se tornou a mais interessante e desafiadora.

Clique veja fotos - Fotos divulgação



Saindo de Ilhabela rumo a Florianópolis, com um grupo de quatro alunos acostumados com o mar pela prática de canoagem e dois instrutores experientes em vela oceânica e travessias, a previsão mostrava dois ciclones extratropicais que estavam se formando no sul e que iriam alcançar o veleiro no meio do caminho. Porém, nosso alunos queriam enfrentar seu primeiro ciclone e se superarem.
Alguns para sentirem o gosto dos fortes ventos, outros para saberem exatamente como o veleiro se comportaria ou ainda apenas pelo desafio e o ganho de experiência consciente, que significa enfrentar condições adversas por livre e espontânea vontade para quando for surpreendido, estar preparado.
Já no momento do embarque todos foram surpreendidos por um forte vento sul na Ilhabela e a âncora foi recolhida às pressas a procura de um. No dia seguinte o céu encontrava-se bem fechado e a previsão confirmava a presença dos ciclones com vento sul, o que significava chuva, vento contra e forte, uma das piores condições no mar.
Deu-se início a travessia, no começo com vento moderado, sol de dia e muita chuva a noite, com relâmpagos e formações de nuvens negras que atingiam o veleiro com as chamadas trombas d’água, a sensação quando nos encontramos dentro dela é de que estaríamos mais secos dentro do mar do que fora. Tudo isso caracterizava uma região de baixa pressão onde podem se formar ciclones e as condições que estavamos enfrentando comprovavam isso.
Depois de dois dias nessas condições chega a hora de fortes ventos. A hora do ciclone. Nessa momento, o céu se abriu com muitas estrelas e uma linda lua. Porém, para tirar o romantismo, muito vento que se iniciou de madrugada com cerca de 30 nós e superou os 40 nós durante o resto da viagem. Ondas se elevaram e ficou impossível seguir viagem rumo a Florianópolis por contra da força das ondas acima de 4 metros contra o rumo. A tripulação então decidiu se aproximar da costa para se abrigar, subindo as velas de temporal e rumando até Itajaí, SC.
As fotos mostrarão um pouco dessa viagem que foi extremamente recompensadora para todos que estiveram a bordo.
A tripulação do Mistralis se mostrou apta a enfrentar as piores condições de clima que a costa brasileira pode oferecer e o veleiro Mistralis se mostrou completamente indeferente para a força dos ventos. As velas de temporal sempre pouco usadas na nossa costa finalmente sairam do paiol e tiveram o gosto de levar o Mistralis.
Foram momentos intensos que proporcionaram uma oportunidade única de superação dos limites pessoais, físicos e psicológicos, em que o trabalho em equipe e determinação de todos foi essencial para a segurança da tripulação.
Parabéns à Equipe Mistralis e ao veleiro Mistralis.
Local Ilhabela - Itajaí
Fotos Divulgação

Pesquisar